Adote Práticas do Método Ágil para Tornar sua Equipe Remota Mais Produtiva

agosto 20, 2020
Gerenciamento Remoto, Remote Work, Telecommuting

O método Ágil e suas variáveis vem ajudando equipes de desenvolvimento de software a aumentar sua performance há décadas. Porém, algumas de suas melhores práticas podem ser utilizadas por quase todas as equipes de trabalho remotas para alcançar melhores resultados.

Mesmo que as coisas progridam para algo parecido com o “normal”, é claro que aspectos do trabalho remoto vão continuar em vários negócios muito depois de que a pandemia tiver passado. Sendo assim, é hora de começar a pensar sobre como otimizar a performance das equipes de trabalho remotas.

O método Ágil – ou Agile – e suas variáveis vem ajudando equipes de desenvolvimento de software a aumentar sua performance há décadas. Equipes ágeis são mais ligeiras, mais responsivas e mais confiáveis – todos os aspectos necessários para que um projeto remoto obtenha sucesso.De acordo com o Harvard Business Review (em inglês), esse método tem se espalhado fora do âmbito de desenvolvimento de software, alcançando outros departamentos, desde a pesquisa e desenvolvimento até o marketing.

Independentemente do projeto ou departamento, há certas práticas abrangentes que quase todas as equipes de trabalho remoto podem usar para alcançar melhores resultados.

Sprints

A ‘unidade de medida’ básica no método Ágil é um sprint. Uma vez que o time decide realizar uma tarefa, que pode ser qualquer coisa: desde organizar uma nova campanha de marketing até adicionar uma característica solicitada para um produto, se dedica entre uma semana e um mês exclusivamente para completar a tarefa. Este tempo é chamado de sprint.

Antigamente, as equipes se trancavam em um escritório durante um sprint, como se fosse a concentração dos jogadores de futebol. Isso não é possível para um time remoto, já que cada um está fisicamente em localização diferente, mas através de videoconferência, compartilhamento de tela e controle remoto, você pode conquistar o mesmo sentimento de colaboração e foco.

Também não é segredo que o trabalho remoto pode ser cheio de distrações, especialmente nestes tempos complicados onde dificilmente se está sozinho em casa. Assim, dividir objetivos em tarefas menores e manter o foco em tal tarefa por um período relativamente breve pode evitar que um time remoto seja arrastado em muitas direções e perca o foco. Na verdade, é exatamente este o motivo para sprints, mesmo quando acontecem no escritório.

O Isolamento da Equipe Evita Distração

Pedidos de ajuda inesperados (“Você poderia só resolver isso rapidão?”) e reuniões desnecessárias rapidamente tiram o foco dos sprints, e, consequentemente, do método Ágil.

Organizações que fazem uso do Ágil e alcançam alta performance frequentemente lançam mão de um facilitador de processo (geralmente um scrum master certificado) para ajudar não apenas a manter as equipes no prumo durante seus sprints, mas para isolá-los de influências externas durante este tempo.

Ser um scrum master tem se tornado uma carreira viável (e lucrativa), mas o conceito de blindar uma equipe para que ela alcance os objetivos não necessariamente requer um mestre em scrum. Na realidade, o que é necessário é um gerente que saiba o que está acontecendo internamente e externamente e saiba priorizar atividades.

A habilidade de dizer “não” faz muita diferença. No nível do colaborador individual, tudo o que é necessário é a sabedoria de desligar notificações de e-mail, ativar o ‘não perturbe’ para todos fora da equipe e manter o autocontrole para não se deixar envolver pela crise do dia.

man giving online presentation by video chat in virtual meeting on Teamviewer Blizz

Stand-Ups

Equipes ágeis tentam evitar reuniões o máximo possível ao priorizar as práticas com propósitos definidos dentro do sprint.

Uma das práticas mais comuns é o stand-up, que não tem muito a ver com a comédia, mas com a alta produtividade.

Toda manhã, ou pelo menos dia sim, dia não, o time passa entre 10 e 15 minutos em total descrevendo seus objetivos para o dia, quaisquer barreiras e desafios que possam atrasá-los, e mecanismos que podem ser utilizados para tornar o tempo disponível mais eficiente.

O limite de tempo é rígido, senão o stand-up vai se tornar mais uma reunião inacabável desnecessária. Na verdade, é por isso que são chamadas de stand-ups: pessoas são menos propensas a se enrolar e alongar discursos se estão em pé (standing up no inglês) durante uma reunião.

Conversamos sobre a importância de comunicação sistemática no trabalho remoto num  , mas vale repetir neste contexto: Essas sessões de Stand-up pela manhã são uma forma significante de que o gerenciamento ganhe visibilidade sobre a produção das equipes. Ademais, a prática é ainda capaz de eliminar certos medos que executivos ainda têm sobre perda de produtividade quando se trabalha remotamente.

No entanto, algo deve estar muito claro: não é momento de socializar. Seja direto. Entre, deixe todos a par do que é necessário e saia. Se é necessário que todos fiquem de pé durante a conversa para concluir essa tarefa com brevidade, que assim seja.

Uma dica: Faça um happy hour(virtual) legal uma vez que terminar o sprint para dar aquele up na moral da equipe.

Kanban/ Quadros de status

No escritório, algumas equipes ágeis têm a  sorte de contar com salas dedicadas para seus sprints, onde é colocado um quadro para acompanhar o status das tarefas, que são movidas de ‘planejadas’ para ‘em progresso’ e finalmente para ‘completas’, replicando o conhecido método de organização Kanban.

A abordagem low-tech costumava assumir a forma de post-its colados em um quadro branco, e, apesar de ser atividade manual, esses post-its eram extremamente necessários para manter todos a par do que estava acontecendo e manter a eficiência do trabalho.

Obviamente, a abordagem low-tech não funciona remotamente. Não dá para ter um quadro físico nesse caso, nem seria prático. Mas, é certo que as equipes devem manter visibilidade sobre o que cada um está fazendo, como afirma o artigo da Atlassian Ágil Coach (em inglês), seja através de uma planilha simples ou um aplicativo específico, como o Confluence Jira ou Wrike. Esses quadros de status virtual pode fazer tudo, especialmente stand-ups, mais eficientes.

Só não esqueça de ativar as notificações de status, já que você não vai ficar olhando para o quadro o dia inteiro. Nem deveria!

Retros

Além do sprint existe outra prática (às vezes dividida em duas): uma revisão e uma retrospectiva, ou “retro”. Assim como outras práticas, esta igualmente tem um objetivo: identificar formas tornar o sprint mais efetivo, como explica este artigo da consultoria americana McKinsey & Company (em inglês).

Uma revisão passa pelo trabalho realizado pela equipe, e geralmente conta com opiniões das externas partes interessadas. Já uma retro é sobre como um time pode trabalhar melhor de forma interpessoal.

Dinâmicas de equipe mudam, especialmente em um grupo remoto, onde a comunicação social é tão diferente do que acontece quando se trabalha fisicamente junto.

Por isso, é importante checar regularmente a saúde da equipe e ver se tudo segue sobre trilhos.

Essa necessidade faz da videoconferência o veículo perfeito para essa prática. Apenas certifique-se de seguir  ou sua retro pode fugir do objetivo.

A metodologia Ágil pode ser tão simples ou complexa como você quiser. De fato, muitas pessoas vem construindo carreiras de sucesso com ela. Porém, a verdade é que toda boa metodologia é enraizada no bom senso e em atividades necessárias.

Estas práticas, seja lá se você chama elas de “Agile” ou não, podem ajudar o seu time a ser mais eficiente e se dar melhor ao encarar novos desafios.

Ajude sua equipe a ser 100% produtiva, acompanhando as mudanças do mundo para conseguir um futuro melhor e mais sustentável.

Related posts

Quer mais? Ofertas exclusivas e últimas notícias: nossa newsletter!